Amadora testa nova ferramenta para medir o nível de resiliência a desastres

A Amadora e outras quatro cidades europeias vão testar uma nova ferramenta para medir o seu nível de resiliência a desastres. A iniciativa enquadra-se no projecto europeu Managing Urban Risks in Europe: Implementation of the City Disaster Resilience Scorecard (U-SCORE) e vai também ajudar estas cidades a integrar a redução de risco e a adaptação às mudanças climáticas na gestão urbana, através da elaboração de planos de acção concretos.

carlatavares

Stoke-on-Trent e Salford, no Reino Unido, e Jönköping e Arvika, na Suécia, acompanham a Amadora neste desafio, cujos objectivos passam por preparar melhor as cidades para um eventual cenário de desastre, ser uma plataforma de troca de conhecimento e experiências entre especialistas nesta matéria e, ainda, envolver outros municípios na acção para a redução do risco de desastre. Nos próximos dias 16 e 17 de Abril, o município português vai receber o primeiro workshop do projecto, que marcará o arranque do U-SCORE.

A ferramenta – City Resilience Scorecard – foi desenvolvida pela IBM e pela AECOM, no âmbito da campanha Making Cities Resilient do Gabinete das Nações Unidas para a Redução de Risco de Desastre (UNISDR, na sigla em inglês). O projecto vai ajudar a testar a ferramenta, esperando-se que dê feedback para a sua melhoria. A solução vai fornecer a cada cidade uma análise da sua capacidade de resiliência e um protótipo de plano de acção. As autoridades nacionais de Protecção Civil irão também apoiar estas cidades, assim como o próprio UNISDR e outros especialistas técnicos externos, como, por exemplo, a IBM ou a AECOM. Continuar a ler

Anúncios

Lisboa | especialistas debatem futuro das cidades

Fonte: Smart Cities

No próximo sábado, especialistas em urbanismo, arquitectura, transportes urbanos, retalho e promoção das cidades vão reunir-se, em Lisboa, para debater o futuro das metrópoles. Trata-se da primeira conferência da revista internacional Monocle, sob o tema “Qualidade de Vida”, que irá decorrer no hotel Ritz Four Seasons.

cidades

Revelar os melhores projectos e práticas e potenciar o desenvolvimento de cidades mais dinâmicas, a nível global, é o principal objectivo do encontro, que abarca um vasto leque de tópicos. “O que é a qualidade de vida moderna?”, “como criar uma cidade melhor?”, “como construir a habitação perfeita?”, “use as suas mãos: como colocar o design no centro da sua economia”, “a visão de um topógrafo para um melhor planeamento urbano” ou, ainda, “o melhor transporte urbano: como ir do ponto A ao B em 2015” serão alguns dos temas abordados.

Entre os oradores nacionais constam o presidente da câmara municipal do Porto, Rui Moreira, e Catarina Portas, fundadora e proprietária da cadeia de lojas “A Vida Portuguesa”. O autarca do Porto vai encerrar o painel “Here’s how to make a city”, tecendo a visão sobre como se estão a transformar as metrópoles à volta do globo; enquanto Catarina Portas falará no painel “Cities should make things”.

Na lista constituída por 20 oradores encontram-se, ainda, o mayor de Oslo, Stian Berger Røsland, o director do Museu da Palestina, Jack Persekian, o director do Museu Vitória e Alberto, Martin Roth, e os arquitectos Nat Cheshire, da Cheshire Architects, e Isay Weinfeld, da Isay Weinfeld. Continuar a ler

Montijo | autarquia cumpre pagamento com Amarsul e Simarsul

nunocanta1Na reunião de câmara de 15 de abril, Nuno Canta, presidente da Câmara Municipal do Montijo, apresentou os resultados dos relatórios de contas da AMARSUL- Valorização e tratamento de resíduos sólidos, SA e da SIMARSUL – Sistema Integrado Multimunicipal de Águas Residuais da Península de Setúbal, sistemas multimunicipais em que o município é accionista.

O presidente expôs que no pretérito dia 19 de Março realizou-se a Assembleia Geral de acionistas da empresa AMARSUL com o objetivo da aprovação do relatório de contas de 2014. O documento mostra que a AMARSUL serviu uma população de 781.44 habitantes, em nove municípios abrangidos e tratou cerca de 402.964 toneladas de resíduos sólidos urbanos.

Em termos económicos e financeiros alcançou-se em 2014 um resultado liquido do exercício de 216 mil euros positivos, reduzindo-se a dividas dos clientes municipais e celebrou-se um novo acordo de pagamentos com o município de setúbal de 10,8 milhões de euros para resolver o problema da divida de setúbal.

“No Montijo fizemos uma locução de resíduos sólidos urbanos de 21.748,02 toneladas o que correspondeu a um aumento de cinco por cento em relação ao ano anterior”, afirmou o autarca.

Nuno Canta confirmou que “o município do montijo pagou todas as suas faturas de 2014 a AMARSUL, no valor de 602.994 euros o que corresponde ao tratamento dos resíduos sólidos dos montijenses e liquidou, ainda, a totalidade do acordo de pagamentos que tínhamos celebrado em 2012, antecipamos o pagamento (o acordo ia até 2016), no valor de 307.486 euros”. Continuar a ler