Cascais | The Color Run chega a 16 de maio

A organização pretende renovar em Cascais o sucesso da edição do ano anterior e, a pensar nisso, vai surpreender os participantes com o “Brilho” (shine) que vai ser introduzido no pó Colorido. As explosões de cor na partida a cada mil participantes (o tradicional color blast realizado até aqui no final do evento) vão desafiar os participantes a dançar. Vão também existir na partida e na festa final extintores com color explosion.

color_run

“Depois do sucesso da primeira edição de 2014 em Cascais, em parceria com a Câmara Municipal de Cascais, acreditamos que este ano a festa ainda vai ser maior e melhor”, refere Jorge Azevedo, responsável pela organização do The Color Run™, para quem estão reunidas todas a condições para um grande dia de festa: “a procura de bilhetes faz-nos acreditar em mais um evento de sucesso. O cenário é fantástico, os dias de sol estão a chegar e este evento é uma forma diferente e sobretudo muito divertida de passar um dia em família e com amigos”.

O The Color Run™ realiza-se ao longo da Avenida Marginal, entre Carcavelos e S. Pedro. A primeira partida está marcada para as 16h00, em frente à Praia de Carcavelos. No final do percurso um palco com diversos animadores, música e explosões de cor de 15 em 15 minutos esperam os participantes para a festa de cores final.

Continuar a ler

Anúncios

Opinião | Áreas Urbanas de Génese Ilegal por José Caria

josecariaDar resposta a alguns desajustamentos verificados na legislação existente relativamente à realidade atual das Áreas Urbanas de Génese Ilegal (AUGI s) , e agilizar o processo de reconversão das áreas urbanas de génese ilegal nela disciplinado é preocupação atual que torna indispensável proceder a uma revisão das normas da Lei n.º 91/95 de 2 de Setembro .

De acordo com a Lei 91/95, de 2 de setembro, “consideram-se AUGI os prédios ou conjuntos de prédios contíguos que, sem a competente licença de loteamento, quando legalmente exigida, tenham sido objeto de operações físicas de parcelamento destinadas à construção até à data da entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 400/84, de 31 de dezembro, e que, nos respetivos planos municipais de ordenamento do território (PMOT), estejam classificadas como espaço urbano ou urbanizável” sendo ainda considerados AUGI “os prédios ou conjuntos de prédios parcelados anteriormente à entrada em vigor do DecretoLei n.º 46673, de 29 de novembro de 1965, quando predominantemente ocupados por construções não licenciadas”.

Trata-se de uma realidade complexa e desconexa, a exigir revisão legilastiva , que depende, em boa medida, do empenho, disponibilidade e consenso entre os intervenientes públicos e privados .

O surgimento das áreas urbanas de génese ilegal remonta ao período da ditadura fascista, como consequência da incapacidade de solucionar o problema da habitação para as famílias, sobretudo nas áreas metropolitanas. As pessoas que residem em áreas urbanas de génese ilegal têm reclamado a sua recuperação e reconversão. Desde a aprovação da designada Lei das AUGI’s (áreas urbanas de génese ilegal) que os comproprietários e as respetivas comissões se têm empenhado no processo de reconversão e legalização das áreas urbanas de génese ilegal. No entanto, os processos têm-se caracterizado por enorme complexidade e morosidade, que tem dificultado o avanço dos processos de reconversão até à sua conclusão. Continuar a ler

Lisboa | câmara abre concurso para 40 talhões no parque hortícola da Quinta das Flores

A Câmara Municipal de Lisboa lançou ontem um concurso para atribuição de talhões para a prática de agricultura urbana no Parque Hortícola da Quinta das Flores, na freguesia de Marvila.

hortas-urbanas_SAPO

A apresentação da candidatura deverá ser efectuada através da entrega, até às 17h00 do próximo dia 14 de Maio, quinta-feira, da respectiva ficha de candidatura, da fotocópia do bilhete de identidade, cartão de contribuinte ou cartão de cidadão e a fotocópia do documento comprovativo da residência.

Segundo a CML, serão atribuídos 40 talhões de cultivo, entre os 105 e os 160 metros quadrados, para a prática de agricultura urbana. Os interessados poderão consultar as regras de candidatura e selecção de candidatos, bem como as normas de utilização do Parque Hortícola em baixo ou nas instalações da CML – Balcão Unico. Continuar a ler