Artista recicla chaves e transforma-as em peças únicas

O artesão australiano Moerkey, também conhecido por Michael Moerkerk, recicla chaves e transforma-as em peças de arte únicas.

O resultado é surpreendente muito interessante. Veja as fotos!

Loja online Moerkey Etsy aqui.

 

Anúncios

Ranking AML | qual o município com maior prazo médio de pagamento?

Qual o município da Área Metropolitana de Lisboa com maior prazo médio de pagamento a fornecedores?

Setúbal é o município da Área Metropolitana de Lisboa que, em média, leva mais tempo a pagar aos seus fornecedores. Se for fornecedor e contratualizar hoje com o município de Setúbal, já sabe, passados 365 dias (1 ano) recebe o pagamento!

No município do Seixal, o prazo médio de pagamento, não é muito diferente. Os fornecedores levam, em média, 340 dias para receber o pagamento!

Já em Mafra, o terceiro município da AML que mais tempo leva a pagar, o prazo médio de pagamento é de 150 dias.

(click na imagem para maior definição)

rankingAMLprazomediodepagamentos (2)

Em Sintra e em Vila Franca de Xira, praticamente, os fornecedores recebem a pronto pagamento. O prazo médio de pagamento é de apenas 8 dias!

Regista-se ainda como bastante positivo o prazo médio de pagamento dos municípios de Almada (16 dias), Amadora (18 dias) e Montijo (33 dias).

Segundo a DGAL – Direção Geral das autarquias Locais, não são apresentados dados dos municípios de Alcochete e Lisboa (municípios com dados em falta e/ou com dados incompletos).

Continuar a ler

“Fumo branco” na União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro. Orçamento aprovado!

“Fumo branco” na União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro. Orçamento aprovado!

freguesiamontijoeafonsoeiro

Na reunião extraordinária da Assembleia de Freguesia da União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro, realizada ontem, dia 12 de maio, foi aprovado o orçamento para o ano de 2015.

O orçamento foi aprovado com os votos favoráveis do PS, BE, e um voto do PSD, duas abstenções do PSD, um voto contra do PSD e os votos contra da CDU.

Por parte da bancada do PSD, registaram-se críticas à atual direção do PSD Montijo por não colocar os interesses dos cidadãos da freguesia à frente dos interesses partidários do PSD – conheça as intimidações e ameaças da direção do PSD Montijo aos seus autarcas aqui.

Ao fim de várias tentativas (enalteço a persistência), o executivo da freguesia – PS + BE – leva a “água ao seu moinho”, para beneficio dos cidadãos fregueses da União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro.

O PSD Montijo sai fragilizado de todo este processo. Ameaças, intimidações, desmentidos entre membros da sua direção, renúncia e suspensão de mandatos, demissões na comissão política…

Neste processo, a CDU e o PCP Montijo são os grandes derrotados. Continuar a ler

ANMP acusa Governo de recorrer a fundos europeus para “manipular” municípios

As relações entre o Governo e a Associação Nacional de Municípios Portugueses continuam tensas. Uma delegação da ANMP, liderada por Manuel Machado, reuniu-se esta terça-feira com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, para discutir um conjunto de matérias que constam da resolução aprovada no XXII Congresso da associação de municípios, que decorreu no final de Março, em Tróia.

anmp

A redução da taxa máxima do IMI de 0,5% para 0,4%, uma medida que visa compensar o fim da cláusula de salvaguarda deste imposto municipal sobre imóveis em 2015, faz parte das propostas que a ANMP discutiu esta terça-feira em São Bento com o primeiro-ministro. Esta cláusula impediu que nos últimos três anos se registassem aumentos significativos do IMI para os contribuintes resultantes da reavaliação extraordinária dos imóveis. O abaixamento do IMI visa também evitar uma dupla penalização das autarquias que sejam obrigadas a aderir ao Fundo de Apoio Municipal (FAM), um novo instrumento de resgate financeiro que obriga os municípios a colocar o IMI à taxa máxima. Esta terça-feira, o secretário de Estado da Administração Local, António Leitão Amaro, confirmou, numa audição, no Parlamento, que serão entre 17 e 19 os municípios que tomaram a decisão de aderir ao FAM e que parte significativa destes já apresentou o seu plano de ajustamento municipal.

A audiência com o chefe de Governo, que demorou duas horas e um quarto e que contou com a presença do ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, aconteceu um mês e meio após a realização do XXII Congresso da Associação de Municípios, durante o qual os autarcas reclamaram uma nova Lei das Finanças Locais para a próxima legislatura. No encontro, para além da redução da taxa do IMI, foi também abordada uma questão que os autarcas consideram importante e que visa travar a extinção do IMT (Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis). Com os dias contados, este imposto será substituído dentro de três anos por um imposto de selo. E se Passos não for sensível aos argumentos dos autarcas, o que vai acontecer é que a receita total das câmaras sofrerá uma redução muito significativa, passando dos actuais 460 milhões de euros para 230 milhões de euros. Continuar a ler