Diário da Região edição 22-05-2015 | entrevista Maria Amélia Antunes

Diário da Região edição 22-05-2015 – entrevista Maria Amélia Antunes parte I

(click na imagem)

DRedicao916_entrevista_maria_amelia_antunes_parte_1

Diário da Região edição 22-05-2015 – entrevista Maria Amélia Antunes parte I I

(click na imagem)

DRedicao916_entrevista_maria_amelia_antunes_parte_2

Anúncios

Convenção Nacional “Alternativa de Confiança” – 5 e 6 de Junho – Coliseu dos Recreios, Lisboa‏

ImageProxy

Lisboa aposta em capacitação tecnológica

Fonte: Smart Cities

Uma Academia de Código contra a falta de talentos tecnológicos em Portugal. É assim que a câmara municipal de Lisboa vê o seu programa de capacitação para programação e desenvolvimento de apps. A iniciativa começou no início deste ano, mas vai consolidar-se em Setembro, sendo alargada também a desempregados residentes na capital lisboeta.

imshare-sc

“Este ano, haverá 15 mil postos de trabalho tecnológicos que não serão preenchidos. É para tentar responder a este desafio que, a partir de Setembro, vamos lançar a Academia de Código”, avançou, a respeito, Graça Fonseca, da câmara municipal de Lisboa, durante o NOVA IMSHARE, a 29 de Maio. A vereadora da Economia, Inovação, Educação e Reforma Administrativa lembrou que a Academia já avançou, numa fase piloto, em três escolas básicas da cidade. Contudo, com o arranque do novo ano lectivo, a iniciativa será alargada a outras escolas.

Em paralelo, a intenção da autarquia é também trabalhar com residentes de Lisboa que estejam desempregados, de forma a “dotá-los de competências TIC [tecnologias de informação e comunicação]”.

A Academia de Código – que, de momento, está implementada na Escola Básica (EB) Bairro do Armador, EB Aida Vieira e Jardim Escola S. João de Deus – é uma iniciativa da autarquia lisboeta, em parceria com a Universidade de Aveiro e a Universidade Nova de Lisboa.

Em paralelo, Graça Fonseca frisou, no evento, a importância do empreendedorismo para Lisboa, como forma de potenciar mais-valias que diferenciam a cidade no quadro global. “Em três anos, chegaram duas mil candidaturas à StartUp Lisboa”, acrescentou. Continuar a ler