Ilusões de óptica na palma da mão por Luca Luce

Montijo | Feira Quinhentista está de volta!

A II Feira Quinhentista de Aldeia Galega terá lugar de 11 a 13 de setembro. Torneios de Armas, música, teatro de rua, arruadas e desfiles são apenas algumas das muitas iniciativas a decorrer nos três dias que prometem muita animação.

CMM_topo2_1_1400_630

A feira que assinala as comemorações sobre a data de atribuição do foral novo à Aldeia Galega, no âmbito da reforma dos forais promovida por D.Manuel I, pretende enquadrar os seus visitantes num ambiente de realização dos ofícios de época, de visita de mercadores de outras paragens, de tascas e tavernas com vários folguedos de dança, música, poesia, saltimbancos e teatro.

Os momentos de maior destaque na realização do evento, corresponderão à apresentação de quadros históricos, baseados em factos e lendas, de três momentos importantes passados em Aldeia Galega do Ribatejo e que irão dar a conhecer alguns dos períodos da nossa história: A chegada de El-Rei D. Manuel I ao Cais das Faluas; a Estação da Mala Posta e a Lenda de Aldegalega. Continuar a ler

Fundos para melhorar habitações e espaço urbano

Fonte: Smart Cities

Requalificar os centros urbanos e os seus edifícios, reduzindo, ao mesmo tempo, a factura energética são os principais objectivos dos instrumentos financeiros aprovados ontem pelo Governo, para aplicação de fundos europeus.

ru

Dispondo de dois mil milhões de euros para o apoio às cidades sustentáveis, Portugal vai aplicar cerca de 600 milhões de euros na reabilitação urbana e na eficiência energética, que serão geridos pelo Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) e pelo Banco Europeu de Investimento, respectivamente.

As verbas servirão para reabilitar integralmente edifícios com 30 ou mais anos — ou que se justifiquem dado o seu nível de conservação — mas também para melhoria do espaço público, desde que associada a acções de reabilitação de edifícios. Além disso, procurar-se-á também promover a reabilitação de espaços e unidades industriais que estejam abandonados e que possam ser reconvertidos.

Segundo o ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Moreira da Silva, “a reabilitação urbana é uma aposta que tem de envolver uma resposta abrangente”, dado que “um terço do património [nacional] está degradado”. Continuar a ler