Trabalha em Lisboa e quer poupar na casa e nos transportes? Vá para a Baixa da Banheira

Fonte: Observador

Baixa da Banheira e Vale da Amoreira, na Moita, é a freguesia mais barata para quem trabalha no centro de Lisboa. Descubra as outras nove freguesias mais baratas.

lisboa_1200

A taxa de desemprego é de 14% na Grande Lisboa e Península de Setúbal, a segunda pior região em Portugal continental, mostram as últimas informações trimestrais do Instituto Nacional de Estatística (INE). Todavia, a capital tem um fator positivo: as remunerações são mais elevadas.

Na Grande Lisboa, o ganho mensal bruto era, em média, de 1437 euros em 2012, o último ano analisado pelo INE. Este valor era, por exemplo, 28% superior à remuneração média no Grande Porto e 31% mais elevado do que o vencimento médio no continente.

Apesar de se receber mais, as despesas também são superiores na Grande Lisboa, começando pelo preço das habitações familiares. Para ajudar os seus leitores a decidir a melhor localização para as suas casas, o Observador compilou simultaneamente os preços das residências na Grande Lisboa e os custos de transporte para a capital. Assim, podemos dizer-lhe quais são as freguesias mais económicas para quem trabalha no centro de Lisboa.

Desenvolvemos um indicador que reflete o custo médio de aquisição de um apartamento com dois quartos adicionado da despesa de transporte para Lisboa. Os preços do imobiliário foram obtidos junto do BPI Expresso Imobiliário, enquanto os valores dos vários passes mensais foram extraídos da Carris e de outros operadores locais. Continuar a ler

Anúncios

Humor | Os cabeças de lista por Henrique Monteiro

listadevotantes

Estas são as melhores cidades para os ‘foodies’

Fonte: Notícias ao Montijo

São amantes de comida – e de fotografar comida – e procuram sempre a mais recente e melhor iguaria de cada local que visitam. Os ‘foodies’ são uma tendência que veio para ficar.

foodies

O site Quora criou uma lista destinada às novas personalidades da sociedade: os ‘foodies’.

A pensar nos amantes da comida, e das fotografias de comida, este site – citado pelo Business Insider – elegeu as dez melhores cidades para os foodies visitarem e tirarem a barriga ‘de misérias’.

O ranking começa com Banguecoque, onde as bancas de rua oferecem as melhores iguarias locais, como o Pad Thai. Segue-se Barcelona. A cidade espanhola surge na segunda posição e graças à sua carne de porco curada, presunto e outras tapas.

E para os ‘foodies’ que são adeptos de refeições mais reconfortantes, nada melhor do que a cidade italiana Bolonha e as belas massas e produtos artesanais. E doces? Waffles com fruta, creme ou chocolate, mas em Bruges, na Bélgica, cidade que ocupa a quarta posição entre as melhores. Continuar a ler

Transportes de Lisboa e Porto devem passar para as autarquias

Fonte: Diário Económico

A responsabilidade pelos transportes públicos das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto deve sair da esfera do Estado e passar para os municípios. A recomendação consta do estudo feito pela Universidade do Minho sobre a monitorização das despesas e receitas dos municípios, encomendado pelo Governo.

AS_7179_Eletrico_Baixa_01

A sugestão surge numa altura em que está em cima da mesa a concessão a privados dos transportes urbanos de Lisboa e Porto. Na capital, a espanhola Avanza ganhou a concessão da Carris e do Metro de Lisboa e no Porto foram as espanholas TMB/Moventis a vencer a concessão da STCP e do Metro do Porto.

O estudo da Universidade do Minho não refere este processo, mas defende que o objectivo da transferência de responsabilidades é “aumentar a equidade de tratamento” das autarquias e “a proximidade entre decisores e beneficiários dos serviços”. Um dos autores do estudo, Pedro Camões fala numa questão de justiça: “Todos os transportes de natureza local deviam ser tratados de maneira igual”.

“Actualmente, há uma injustiça, já que todos contribuem para os transportes de Lisboa e Porto e o mesmo não acontece com os transportes dos outros municípios”, afirmou. O especialista considera que, “se a opção for a da concessão a privados, então os outros municípios deveriam também poder fazê-lo. É uma questão de justiça”. Continuar a ler