Morais 3D por Nikolaj Arndt

Mais informação aqui.

Anúncios

Montijo | Festas de Canha de 4 a 6 de setembro

Programa aqui.

De 4 a 6 de setembro, a histórica vila de Canha (concelho do Montijo) recebe mais uma edição das suas festas populares em honra de Nossa Senhora da Oliveira.

festas_canha_2014_1400x550

Três dias de muita animação com um variado conjunto de atividades para todos os gostos: charangas, bailes, torneio de futebol, sevilhanas, espetáculos musicais, largadas e momentos religiosos.

Naturalmente que o grande destaque é a missa e procissão em honra de Nossa Senhora da Oliveira, no dia 6 de setembro, a partir das 16h00.

A não perder, também, a noite da sardinhada, no dia 5 de setembro, um passeio de carros antigos e o fogo-de-artifício, ambos no dia 6 de setembro.

Continuar a ler

Previsões para o futuro dos transportes (e das cidades)

Fonte: Shifter

As tecnologias não estão apenas a mudar a forma de ir do ponto A ao ponto B. É mais profundo: vão alterar radicalmente as infraestruturas das cidades.

5previsoesfuturotranspcidades

Não é nada realmente novo: as cidades têm mudado por força dos transportes, em especial desde o fim do século 19 com a invenção dos automóveis, dos comboios de superfície e enterrados no subsolo, e com a aviação comercial.

Para este século temos como principais forças de mudança o ridesharing, a eletrificação dos veículos e a sua autonomização, e a ligação de todos os veículos numa imensa rede dinâmica que afetará setores marginais, desde a propriedade dos veículos ao sistema de parqueamento, passando pelo recarregamento e pela gestão urbana.

Tendo em conta que a migração para as grandes cidades continuará como uma tendência de longuíssimo prazo, a resolução dos problemas das mega-cidades é uma das grandes áreas para a inovação e o empreendedorismo.

Eis 5 previsões para levar em conta e se inspirar para a startup que originará uma empresa para os seus próximos 20 ou 30 anos: Continuar a ler

Smart Cities vão gerar quase dois biliões de euros

Fonte: Smart Cities

À medida que o número de cidades inteligentes aumenta um pouco por todo o mundo, as receitas geradas deverão atingir cerca de 1,8 biliões de euros, em 2020. Esta é, pelo menos, a projecção da consultora Arthur D. Little, que indica, ainda, que as smart cities têm o potencial de fazer crescer o PIB de uma metrópole ou região em mais de 15%.

imagenes_meetinpoint_smart-city_2b637ab6

O investimento continuado, sobretudo, por parte dos governos locais na modernização de infra-estruturas residenciais e sociais, como habitações e escolas, é um dos aspectos que mais contribuiu para a estimativa de que, nos próximos cinco anos, a taxa de crescimento das receitas provenientes das cidades inteligentes será de 13,9%. Mas não só. “Hoje, a maioria dos investimentos em smart cities estão a convergir para as smart grids, redução das emissões de carbono, banda larga pública (como Wi-Fi gratuito) e automação de edifícios”, destaca Ansgar Schlautmann, presidente global do Innovative Business Designs Competence Centre e um dos autores do estudo da Arthur D. Little.

Mais de 100 cidades, identificou a consultora, encontram-se a implementar de alguma forma o conceito “smart city”, sendo os serviços potenciados pela Big Data e os que fornecem informações ao sector privado para o desenvolvimento de serviços “abertos” os que dominam as tendências.

Cidades como Berna (Suiça), Frankfurt (Alemanha) e Atlanta (Estados Unidos), por exemplo, encontram-se numa primeira fase da curva de maturidade no âmbito das smart cities, investindo maioritariamente em marketing, no sentido de melhorar a imagem da cidade e de criar uma maior consciencialização para esta temática. Enquanto Berlim (Alemanha) e Dublin (Irlanda) já implementam projectos pilotos, ainda que não possuam programas de larga escala. Continuar a ler

Câmaras dão descontos no IMI a famílias com filhos

Fonte: DN

Viana do Castelo, Viseu e Paredes já aderiram ao IMI familiar. Redução é automática e pode ir até aos 20% quando há três dependentes.

A Greek national flag flutters in the air next to a statue of Athena in Athens 29, 2010. Greece readied severe austerity measures Thursday to secure a multi-billion euro aid package needed to avoid default, providing relief to financial markets but drawing threats of a mighty battle from Greek unions. REUTERS/Yiorgos Karahalis (GREECE - Tags: POLITICS BUSINESS SOCIETY) GREECE/

Já há câmaras a baixar o Imposto Municipal sobre Imóveis para as famílias com filhos, e será a administração fiscal a calcular o desconto de forma automática. Prevista no Orçamento do Estado de 2015, esta medida depende da adesão das câmaras, que na maioria ainda estão a ponderar.

Entre as que decidiram a favor, contam-se Viana do Castelo, Viseu e Paredes, enquanto Lisboa aguarda mais informação. O desconto pode ir até 10% para as famílias com um filho, 15% para as que tem dois, 20% para três ou mais. Continuar a ler

Montijo / Afonsoeiro | Fernando Caria “As dificuldades começaram no inicio do meu mandato”

Fonte: Diário do Distrito

Fernando Caria, actualmente presidente da Junta de União de Freguesia do Montijo e Afonsoeiro, fez um balanço geral de um ano e oito meses do seu mandato.

fernandocaria2

Ao longo de um ano e oito meses qual o balanço que faz no comando dos destinos da União de Freguesias do Montijo e Afonsoeiro?

O balanço que faço é extremamente positivo, se analisarmos as dificuldades criadas desde o inicio do nosso mandato e se considerarmos as dificuldades ao longo do mandato já depois do Executivo estar formado e pelo trabalho já realizado, tenho a certeza absoluta que é extremamente positivo o balanço que podemos fazer nesta altura.

Repare, temos cerca de oitenta por cento do nosso plano de actividades praticamente ao fim de um ano e oito meses feito, e como sabe esta União de Freguesias tem tido bastantes dificuldades e quase diárias. Mas felizmente com o nosso trabalho e com a nossa dedicação temos conseguido levar a bom porto tudo aquilo que nós nos propusemos fazer.

<<Não tivemos uma maioria absoluta, tivemos uma maioria relativa>>

Como foi trabalhar até o orçamento ser aprovado, uma vez que o mesmo no início não foi aprovado pela oposição…Como trabalhou o Executivo sem o orçamento que é tão fundamental para o dia a dia de uma Junta de Freguesia? Continuar a ler

Lisboa bike to work | de bicicleta para o trabalho

Mais informação aqui.

Estão abertas as inscrições para o Bike to Work Day, uma iniciativa que decorre no dia 18 de setembro e integra o calendário da Câmara de Lisboa para a Semana Europeia da Mobilidade, de 16 a 22 de setembro. De Bicicleta para o Trabalho junta a autarquia e a Lisboa E-Nova e tem o apoio da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta.

lisboabiketowork

O objetivo é desafiar as empresas, instituições e seus trabalhadores a deslocarem-se no dia 18 de setembro de bicicleta para o local de trabalho, procurando sensibilizar para a necessidade de reduzir os impactos ambientais da mobilidade urbana através da utilização de meios suaves de mobilidade.

As entidades interessadas em participar na iniciativa devem preencher o formulário online até 15 de setembro, a inscrição é gratuita.

Câmaras já podem entregar actividades curriculares a empresas

Fonte: Público

A partir desta terça-feira os municípios poderão entregar a concretização das Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC) a empresas sem recearem que o contrato seja recusado pelo Tribunal de Contas, como sucedeu no ano passado com a Câmara Municipal do Porto.

escola

Um diploma aprovada pelo Governo em Junho passado, e que entrou em vigor nesta terça-feira, veio legalizar esta prática, utilizada há anos por vários municípios, ao abrir a possibilidade destes “contratualizarem parcerias com outras entidades para assegurar o desenvolvimento e concretização das AEC”.

Tal não era ainda possível porque o anterior diploma que regulava a contratação dos técnicos para as AEC, aprovado em 2009, “não previa a possibilidade de os municípios procederem à externalização deste serviço já que estabelecia “apenas um mecanismo de contratação dos profissionais que dinamizam estas actividades, impondo às entidades promotoras a celebração de contratos a termo resolutivo para o efeito”, esclareceu ao PÚBLICO o gabinete de comunicação do Ministério da Educação e Ciência. Os contratos a termo resolutivo são os que se destinam a suprir necessidades temporárias.

Em 2014, o Tribunal de Contas chumbou o contrato que a Câmara Municipal do Porto tentou fazer, mais uma vez com a empresa Know How, com um valor de cerca de 2,5 milhões de euros, em que esta ficava com a responsabilidade das AEC no concelho, assegurando o recrutamento, contratação e pagamento dos docentes necessários ao desenvolvimento destas actividades. Continuar a ler

Montijo apoia aeroporto na base aérea com nova ligação à ponte Vasco da Gama

Fonte: Lusa

Adaptar a base aérea do Montijo a aeroporto civil obrigaria a melhorar as ligações rodoviárias e intensificar rede de transportes públicos, defende presidente da câmara da cidade.

Base-Aerea-Montijo

O presidente da Câmara do Montijo, que apoia as negociações da ANA com a Força Aérea para abrir a base n.º 6 à aviação civil, defende uma nova ligação da Ponte Vasco da Gama para servir a infraestrutura.

Segundo Nuno Canta (PS), para adaptar a base aérea do Montijo a aeroporto civil, em alternativa a Sintra e a Alverca, será importante a articulação com a ponte através de uma nova ligação direta ao Montijo, há muito reivindicada, mas nunca concretizada.

Fonte do Ministério da Economia revelou que “só no início de setembro” deve existir um acordo entre a ANA – Aeroportos de Portugal e a Força Aérea Portuguesa (FAP), que deve ser indemnizada pela empresa controlada pelos franceses da Vinci Airports.

“Já não é a Portela+1, mas uma extensão do aeroporto da Portela”, afirmou o presidente da Câmara do Montijo, em declarações à agência Lusa, acrescentando que o aeroporto de Lisboa passa “a funcionar com duas pistas, uma na margem norte e outra na margem sul” do Tejo. Continuar a ler

Setúbal | Lista de candidatos do LIVRE / Tempo de avançar

candidatoslivretempoavancarSetúbal

Candidatos efetivos:

1 -Isabel do Carmo

2- Renato Carmo

3- Ana Raposo Marques

4- Miguel Dias

5- São José Lapa

6- Nuno Miguel Rolo

7- Patrícia Gonçalves

8- Jerónimo Gil

9- Eugénia Santa Bárbara

10- Paulo Velez Muacho

11- Liliana Mendes

12- Manuel Coelho

13- Eduardo Gravanita

14- Dolores de Matos

15- Vasco Teixeira da Silva

16- Ângela Lacerda Nobre

17- Luís Figueiredo

Candidatos suplentes: Continuar a ler

Entrevista | Ana Catarina Mendes: “é preciso recuperar a confiança dos portugueses”

Fonte: Diário do Distrito

Vice-presidente da bancada socialista na Assembleia da República e presidente da Federação Distrital de Setúbal, Ana Catarina Mendes é a cabeça de lista pelo PS por Setúbal.

AnaCatarinaMendes

Quais são as perspectivas do Partido Socialista para as eleições legislativas?

A primeira grande perspectiva é ganhar as eleições legislativas no país e no distrito de Setúbal, um dos mais importantes, porque seria o consolidar de uma grande vitória do PS.

Perante os momentos muito difíceis que temos tido, o PS aposta na devolução da confiança e da esperança aos portugueses, confiança que desejamos que seja retribuída no dia 4 de Outubro.

O tecido empresaria, nomeadamente as pequenas e micro empresas, foram bastante prejudicadas pela política de austeridade. O que tem o PS a oferecer às que conseguiram manter-se?

Temos no programa eleitoral programas específicos para as pequenas e médias empresas do país, de forma a promover a sua recuperação uma vez que estas foram alvo de um ataque fiscal muito grande e viram os seus custos de produção aumentar enormemente, Neste momento essas empresas precisam de apoios financeiros que os ajudem a relançar-se na economia portuguesa e para isso contamos com um financiamento específico para pequenas e médias que lhes permitam obter mecanismos financeiros para esse passo.

É evidente que a máquina fiscal tem de ser alterada, o PS tem essa noção, e aponto apenas um exemplo de um dos sectores mais afectados com a imposição fiscal dos últimos anos, o da restauração, sobre o qual o PS já assumiu o compromisso de que voltará a baixar o IVA do sector.

Temos um quadro do nosso cenário macro-económico, onde fazemos as contas com rigor daquilo que devem ser as medidas a adoptar nos próximos tempos, bem como a forma como podemos auxiliar as pequenas e médias empresas. O que posso afirmar é que teremos novidades, que podem ter a ver com incentivos e fundos financeiros ou poderão estar relacionados com a questão fiscal.

«O distrito de Setúbal tem três graves problemas»
Continuar a ler

O que faz uma cidade um sítio melhor para viver?

Fonte: Smart Cities

Melbourne (Austrália), Viena (Áustria) e Vancouver (Canadá) são as cidades com melhores condições para viver, diz o Global Liveability Ranking 2015. O barómetro, divulgado esta semana pelo The Economist Intelligence Unit (EIU), mostra que, entre os vários factores, a estabilidade é determinante para a qualidade de vida.

MelbourneCBDAerial

Enquanto estas três cidades se mantiveram firmes na liderança da tabela no último ano, no que toca à qualidade de vida, pelo resto do mundo, as oscilações são várias. Das 140 cidades avaliadas no estudo, 53 viram as suas posições noranking mudarem nos últimos 12 meses, sendo que grande parte – 53 cidades – foi para pior. O que levou a estas oscilações? Na maioria, factores relacionados com instabilidade e insegurança: manifestações, actos terroristas, violência, etc. O último ano foi também marcado por protestos contra o abuso de força policial ou a austeridade, o que elevou o risco de tumultos públicos em muitos países, nomeadamente nas cidades dos Estados Unidos com toda a agitação face às várias mortes de afro-americanos sob custódia policial.

O impacto de um ambiente estável na qualidade de vida urbana é ainda mais evidente numa análise a cinco anos. O relatório aponta a fragilidade da estabilidade como a principal causa para a queda da pontuação da qualidade de vida média global. O indicador encontra-se agora nos 75% e caiu 1% nos últimos cinco anos, sendo que um terço desse quebra registou-se apenas no último ano. Já a estabilidade média global diminuiu 2,2% desde 2010 (74,5% para 72,3% actuais). Continuar a ler