Autocarro eléctrico circulou 415 quilómetros com uma única carga

Fonte: Green Savers

A empresa norte-americana Proterra anunciou que o seu autocarro eléctrico Catalyst XR circulou 415 quilómetros com uma única carga, o melhor resultado de eficiência de sempre para um autocarro com 12 metros.

mobilidade_eletricbus

Segundo a empresa, o objectivo da inovação na autonomia dos autocarros eléctricos é levá-los a percorrer uma rota típica norte-americana sem recorrer ao carregamento das baterias. Os dados da General Transit Feed Specification mostram que uma rota típica de autocarro – urbana ou rural – cobre menos de 320 quilómetros. Isto quer dizer que o Catalyst XR pode, facilmente, fazer a maioria das rotas convencionais de autocarro nos Estados Unidos.

Segundo o Gizmag, o autocarro testado foi equipado com uma nova geração de tecnologia de armazenamento com oito baterias, capaz de gerir 257 KWh. A tecnologia foi desenhada de raiz a pensar na eficiência e autonomia do veículo. Continuar a ler

Anúncios

Humor | o senhor sem escolta que se segue… por Henrique Monteiro

O senhor sem escolta que se segue...

Montijo | Câmara reduz IMI para as famílias com dependentes

Na reunião pública de 30 de setembro, a Câmara Municipal do Montijo deliberou reduzir a Taxa do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) para as famílias do concelho. A proposta foi aprovada por maioria, com os votos favoráveis do PS e do PSD e os votos contra da CDU.

montijo

De acordo com o Código do Imposto Municipal sobre Imóveis, a autarquia decidiu fixar uma redução da taxa para os imóveis destinados a habitação própria e permanente coincidente com o domicílio fiscal do proprietário, atendendo ao número de dependentes.

Assim, um agregado familiar com um dependente beneficiará de uma redução de 5 por cento, no caso de dois dependentes será de 10 por cento e com três ou mais dependentes o valor da redução cresce para 15 por cento.

O presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, justificou esta opção “por considerar que um abaixamento genérico do IMI é uma medida injusta socialmente pois aplica-se a todos os proprietários, beneficiando mais os grandes proprietários em detrimento das famílias com casa própria”.

Esta medida beneficiará 4923 famílias residentes no Montijo e representa uma redução global aproximada de 90 mil euros, constituindo-se assim como mais uma medida de apoio social da autarquia, como forma de contrariar o empobrecimento das famílias em resultado das políticas governamentais. Continuar a ler

Oeiras analítica arranca em 2016

Fonte: Smart Cities

São, ao todo, 12 iniciativas principais, a implementar ao longo dos próximos cinco anos, para fazer de Oeiras a primeira cidade analítica portuguesa. Oroadmap, farol que guia a estratégia do município para cumprir este objectivo, foi apresentado, ontem, no âmbito do seminário “Oeiras | A Smarter Future – let’s do it”, tendo como palco o Taguspark – Parque de Ciência e Tecnologia.

oeirasmarcaoritmo

Para começar, um dos gaps que Oeiras quer colmatar é, sobretudo, a falta de informação dos seus munícipes, dado que numa consulta pública, assente em 246 questionários, concluiu-se que entre 80 a 90% das pessoas não conheciam as iniciativas smart do município – ou não tinham contacto – e entre 60 a 70% desconheciam o que são cidades inteligentes. “Só 20% dos idosos conhecia o Serviço de Tele-Assistência Domiciliária”, exemplificou Pedro Costeira, um dos membros da equipa da Ernst & Young (EY), consultora responsável por delinear esta estratégia para Oeiras.

“A primeira coisa que nós temos de fazer é chegar às pessoas porque o seu envolvimento é absolutamente fundamental. Temos de conseguir comunicar melhor”, destacou Silvia Breu, chefe do Gabinete de Prospectiva Desenvolvimento Estratégico e Informação Geográfica da câmara municipal de Oeiras. “Muitas pessoas não conheciam as iniciativas, mas consideraram-nas interessantes depois de as conhecer”, revelou.

Há, no entanto, outro requisito prioritário para pôr em marcha este plano: a criação de uma unidade de gestão, prevista para Janeiro de 2016, cujo objectivo será “agilizar a execução deste megaprojecto”, adiantou a EY. O passo será seguido pela concepção de uma aplicação móvel que “permita melhorar as funcionalidades existentes” na actual plataforma tecnológica “O Meu Bairro”, de forma a assegurar que os moradores podem registar incidentes em qualquer lugar, ao qual se soma um Portal Único que visa “adicionar funcionalidades e usabilidades dos principais portais existentes”, como são o caso do E-City e do GeoPortal. Continuar a ler