Jornal Semmais | edição 16 de janeiro

Anúncios

DECO | Comprar pela Net sem perder direitos

Mais informação aqui.

As compras online são práticas mas nem sempre as lojas virtuais respeitam a lei. Conheça os seus direitos para evitar riscos e saiba como se defender.

comprasnet

Catálogos no correio, anúncios sem fim de televendas e lojas virtuais são formas de vender fora do balcão, as chamadas vendas à distância. Para todas há um pacote de informação obrigatório, antes da celebração do contrato, que ajuda quem compra:

• identidade do vendedor, incluindo o nome, a firma ou denominação social, o endereço físico onde se encontra estabelecido, o número de telefone e de telecópia e o endereço eletrónico, caso existam;
• características do bem e serviço;
• preço com imposto, taxas, encargos suplementares de transporte, despesas postais ou de entrega ou outros encargos;
• modo de cálculo do preço, incluindo encargos suplementares de transporte, de entrega e postais ou outros custos;
• indicação de que podem ser devidos encargos suplementares de transporte, de entrega e postais ou outros;
• preço total;
• modalidades de pagamento, entrega ou execução e a data-limite em que o profissional se compromete a entregar o bem ou a prestar o serviço e, se for o caso, o sistema de tratamento de reclamações dos consumidores pelo fornecedor de bens ou prestador de serviços;
• direito de livre resolução do contrato, o prazo e o procedimento para o exercício do direito, incluindo entrega do formulário próprio de livre resolução;
• quando seja o caso, a indicação de que o consumidor suporta os custos da devolução dos bens em caso de exercício do direito de livre resolução e o montante desses custos, se os bens, pela sua natureza, não puderem ser devolvidos normalmente pelo correio normal;
• obrigação de o consumidor pagar ao vendedor um determinado montante, proporcional ao serviço já prestado, sempre que exerça o direito de livre resolução; Continuar a ler

Margarida, a mais nova autarca do país, quer provar que a sua geração não está perdida

Boa ideia!!

Fonte: Público

Margarida Sá tem 15 anos, está no 10.º ano de Ciências e Tecnologias da Secundária de Santa Maria da Feira, adora viajar, é escuteira, joga voleibol, e sonha fazer um inter-rail pela Europa e conhecer a América.

jovemautarca

Ainda não sabe o que vai estudar quando terminar o secundário. No mês passado, venceu a segunda edição do projecto Jovem Autarca da Câmara da Feira e tremeu quando anunciaram que a abstenção na sua escola era de 74%. Votos contados, eleições ganhas entre 18 candidatos, dez raparigas e oito rapazes, dos 13 aos 17 anos, de 12 escolas. Nesta eleição do Jovem Autarca, iniciativa que apela a uma participação dos jovens nas decisões políticas do seu município, votaram 4816 alunos num universo de 8227 – 58,5% dos alunos foram às urnas. Margarida foi a mais votada com 689 votos.

O projecto Jovem Autarca segue os passos das eleições à séria. Há campanha, propaganda, debates, estratégias para cativar a atenção dos colegas. “O futuro é dos jovens e os jovens somos nós” foi o slogan que Margarida Sá escolheu para passar as suas mensagens. Resultou e agora é hora de arregaçar as mangas. De 15 em 15 dias, está na Câmara com porta aberta para ouvir o que os jovens têm a propor para o desenvolvimento do território que pisam. No seu manifesto, colocou três ideias que, no entanto, podem sofrer alterações durante o seu mandato que terminará no final deste ano. Ter paragens de autocarro cobertas nos circuitos que os alunos usam para chegar às escolas, programar um evento em que todos tenham oportunidade de experimentar a oferta cultural e desportiva do concelho, estabelecer uma parceria com o cineteatro da cidade para a exibição de filmes para jovens ao fim-de-semana – criando-se um cartão de cinema jovem com descontos para espicaçar a procura – estão na sua lista. Continuar a ler

Lisboa | Prémio Municipal voluntariado, candidaturas até 31 janeiro

O Prémio Municipal de Voluntariado visa distinguir o melhor projeto/ação de voluntariado, concretizado em 2015, que contribua, designadamente, para a promoção do voluntariado na cidade de Lisboa.

lisboavoluntariado

Poderão concorrer à atribuição do Prémio Municipal de Voluntariado as pessoas coletivas que promovam atividades de reconhecido interesse para o Município de Lisboa.

O prazo de candidaturas decorre entre o dia 5 de dezembro de 2015 e o dia 31 de janeiro de 2016, inclusive.

As candidaturas deverão ser dirigidas e enviadas para o Departamento para os Direitos Sociais, até às 24h00 horas do dia 31 de Janeiro, para o seguinte e-mail: banco.voluntariado@cm-lisboa.pt.