Fórum AML Transportes | Conselho Metropolitano defende financiamento público nos transportes urbanos

Fonte: DN

Basílio Horta falava no encerramento de um fórum sobre mobilidade e o sistema de transportes promovido pela Área Metropolitana de Lisboa.

Basílio Horta é o Presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa

Basílio Horta é o Presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa

O presidente do Conselho Metropolitano de Lisboa, Basílio Horta, defendeu hoje a necessidade de financiamento público “adequado” para que as autarquias possam facultar às populações um sistema de transportes urbanos sustentado.

“É impossível pensar num sistema de transportes sustentado e numa mobilidade metropolitana amiga do ambiente, favorável aos utentes e estimuladora do desenvolvimento e da coesão territorial sem o financiamento público adequado”, afirmou Basílio Horta, na sessão de encerramento de um fórum sobre mobilidade e o sistema de transportes promovido pela Área Metropolitana de Lisboa.

O novo Regime Jurídico do Serviço Público de Transporte de Passageiros, aprovado por uma lei de junho de 2015, estabeleceu a repartição de competências entre o Estado, municípios e entidades intermunicipais, transferindo para as áreas metropolitanas as competências da Autoridade Metropolitana de Transportes.

Basílio Horta recordou que, no que diz respeito ao financiamento público do sistema de transportes metropolitano, “questão decisiva para o funcionamento do sistema, está prevista apenas a possibilidade do lançamento de cobrança de taxas pelos municípios”. Continuar a ler

Anúncios

Humor | Se o Trump fosse português por falar noutra coisa

Fonte: porfalarnoutracoisa.sapo.pt

trump

Gosto de acompanhar as eleições norte americanas não pelo interesse que tenho nas políticas deles, mas porque é do melhor entretenimento que tem dado na televisão. Estava a ver o discurso do Trump depois dos resultados das últimas eleições primárias, de madrugada como qualquer bom programa de humor, e dei por mim a pensar se seria possível haver um Trump, com aqueles argumentos, a liderar sondagens em Portugal. Vamos apenas fazer o exercício de imaginarmos que temos um candidato a presidente ou primeiro-ministro de Portugal a dar a seguinte conferência de imprensa:

Temos de tornar Portugal grande outra vez! Grande como foi na era dos Descobrimentos nem que seja preciso voltar a ter escravos e invadir Marrocos! Isto não pode continuar assim a sermos conquistados pela China! Só vejo lojas dos chineses em todo o lado e ainda por cima as merdas que lá se compram só funcionam uma vez! Temos de banir as lojas chinesas e expulsá-los do país! Temos de trazer o dinheiro dos portugueses de volta para Portugal e para isso, prometo construir um muro entre Elvas e Badajoz! É indecente que tantos portugueses continuem a ir comprar caramelos lá fora, quando temos tantos caramelos bons por cá! Vou, por isso, construir um muro de 500 metros de altura e ao longo de toda a fronteira! Calma que vai ter uma porta bonita mas só para entrarem turistas! Sair ninguém sai! Para quê ir fazer viagens de finalistas a Lloret del Mar quando temos Albufeira que tem tantas ou mais badalhocas? Outra medida que prometo fazer é expulsar todos os muçulmanos daqui para fora! Todos! Aliás, toda a gente que viver no raio de dois quilómetros de uma mesquita vai ser investigado. E os pretos? Esses preguiçosos? Cambada de violadores e traficantes e ainda pior do que isso é o facto de terem trazido para cá a kizomba.

Acham que uma pessoa com este discurso, mesmo que milionária e estrela de TV, liderava as sondagens em Portugal? Acho que não. Dizemos, eu incluído, tantas vezes mal do nosso país, mas aqui tenho de tirar o chapéu à inteligência dos portugueses que nunca se deixariam levar por um discurso surreal destes. Portugal, em termos de inteligência política, dá 10 a 0 aos Estados Unidos. E vindo de um país que elegeu Passos Coelho, Cavacos, Costas e afins, isso é dizer muito sobre os “amaricanos”.

«Ele diz o que pensa.», é um dos principais argumentos de quem o apoia.

Como se dizer o que se pensa quando só se pensa em merda fosse uma qualidade.
Continuar a ler

Mytaxi | A globalização do taxi!

Fonte: Samart Cities

A chegada de serviços de transporte de passageiros com base em plataformas tecnológicas como a Uber veio abalar o sector dos táxis em todo o mundo. Em resposta, surgem também soluções que se propõem a trazer a revolução tecnológica (e não só) ao sector. É o caso da mytaxi, fundada em 2009 e que está já Lisboa desde o final do ano passado. Em entrevista, António Cantalapiedra, CEO da mytaxi Portugal e Espanha, afirma que aplicação “está a contribuir para a evolução e modernização do sector dos táxis e, em última análise, para o desenvolvimento do serviço de transportes públicos”.

myTaxi

A mytaxi chegou a Lisboa no final do ano passado. O que motivou a entrada no mercado português?

A mytaxi foi fundada em 2009 e expandiu-se com o objectivo de melhorar a mobilidade das cidades. Fez todo o sentido entrar numa cidade/mercado com quase 3500 táxis como Lisboa e um país que tem sentido um claro aumento turístico. Pensamos que a mytaxi pode contribuir para a modernização do sector dos táxis e aumentar o serviço que serve como cartão-de-visita ao turismo e negócios da cidade. Lisboa é uma cidade que está na moda e podemos verificar isso com o aumento do volume de turistas nos últimos anos. Além disso, o próprio país tem vindo a dar passos importantes no domínio da inovação e da tecnologia e consideramos que a mytaxi pode contribuir para o desenvolvimento das cidades portuguesas, tornando a sua mobilidade mais inteligente.

O serviço foi lançado em Lisboa com 80 táxis associados. Este número já aumentou?

A mytaxi foi lançada em Dezembro de 2015 e já há algum tempo que duplicámos esse número de motoristas. Podemos inclusive dizer que Lisboa registou o melhor lançamento da mytaxi de todas as cidades europeias onde estamos presentes.

Superou, então, as expectativas?

Este foi o lançamento com mais sucesso da mytaxi até agora. Não só pelo actual crescimento do número de motoristas que se juntam à nossa plataforma, mas também pelo crescimento exponencial de utilizadores registados. Além disso, podemos dizer que oferecemos uma experiência 100% móvel, ou seja, somos a única app de táxis do mercado português que permite utilizar o pagamento via app, o que é uma grande vantagem em termos de segurança e comodidade. Amytaxi distingue-se, sobretudo, pela qualidade que é constantemente avaliada por taxistas e utilizadores. A nossa entrada positiva no mercado português também está relacionada com a campanha muito atractiva que fizemos e, que decorre até ao final do mês de Março, com 50% de desconto nos trajectos pagos via app, que permitiu romper eventuais barreiras no uso da tecnologia e dinamizar o sector.

Qual a estratégia da empresa para associar mais taxistas lisboetas e, simultaneamente, comunicar a app ao público? Continuar a ler

Fórum AML transportes | Fernando Medina quer transportes mais baratos e subsidiados pelo Estado

Fonte: Lusa

“Não há verdadeiro sistema de transporte público que seja sustentado sem subsidiação. É este o ponto de partida. Ou é lucrativo porque se concentra em áreas que são lucrativas, ou temos um verdadeiro e eficaz sistema onde, claramente, as receitas não cobrem” as despesas, disse o autarca.

MRL_fernando_medina14-2953

Fernando Medina falava na sessão de abertura do Fórum Mobilidade e Sistema Metropolitano de Transportes: Direito à Mobilidade com Transportes Públicos Sustentáveis, que hoje decorre no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, em Lisboa.

Na sua intervenção, o autarca defendeu que o futuro sistema de transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa deve ser “acessível para todos os cidadãos”, tanto na mobilidade como nos preços, que considera “altos”.

“Pretendemos a redução dos preços que hoje estão a ser praticados para muitos dos nossos munícipes”, frisou.

Para Medina, os transportes públicos devem ainda conquistar credibilidade, ser integrados e ganhar flexibilidade, porque os “padrões de mobilidade alteraram-se profundamente nos últimos 30 anos e os meios de transporte não acompanharam essa mudança”.

Referindo-se ao debate sobre a municipalização dos transportes públicos na Área Metropolitana de Lisboa que está a decorrer, o presidente da Câmara de Lisboa disse que encontrou um sistema “profundamente desarticulado e desajustado”. Continuar a ler

Montijo | “As árvores não morrem” – exposição de escultura de Paulo Neves

Até 9 de abril, a Galeria Municipal do Montijo apresenta-lhe o talento do escultor Paulo Neves. Em “As árvores não morrem”, este conceituado artista plástico utiliza os elementos naturais da floresta para produzir a sua arte, para nos transmitir a sua visão do mundo. A mostra é realizada em parceria com a Galeria Valbom.