Como evoluíram PS e Coligação (PSD / CDS-PP) nas sondagens dos últimos quatro anos?

Fonte: Jornal de Negócios

O principal partido da oposição enfrenta PSD e CDS coligados. Veja como evoluíram as intenções de voto de um lado e do outro ao longo da legislatura: depois de uma queda acentuada dos partidos da maioria, PS assumiu a liderança mas sem nunca descolar dos seus principais adversários. E há dois anos que pouco ou nada muda neste retrato.

mediasondagenspublicadas2011_2015

Depois de um período de queda livre dos partidos da coligação, em particular PSD, e de recuperação sustentada do PS, as preferências dos eleitores estabilizaram a partir de meados de Junho.

Exceptuando o período de disputa de liderança, os socialistas têm estado sempre à frente, mas por muito pouco. Entre os Verões de 2013 e de 2015, a distância média entre os dois partidos manteve-se praticamente inalterada.   Continuar a ler

Portugal à Frente aposta na credibilidade e competência dos candidatos no distrito de Setúbal

Fonte: distritonline.pt

A lista de candidatos da coligação PSD/CDS-PP para o distrito de Setúbal são uma aposta na credibilidade e competência, constituindo-se como uma mais-valia para o distrito.

portugalafrentestb-1728x800_c

Uma das principais preocupações da coligação na composição das listas a candidatos foi assegurar a continuidade do trabalho e da competência da última legislatura, mantendo nomes como a cabeça-de-lista, Maria Luís Albuquerque, Bruno Vitorino, Nuno Magalhães, Maria das Mercês Borges, Pedro do Ó Ramos, Mariana Ribeiro, Paulo Ribeiro e João Viegas.

A par destes nomes surgem novos candidatos como Mariana Ribeiro Ferreira, Sónia dos Reis, Miguel Salvado, Graciete Carvalho, Sónia Batista e Pedro Filipe Tomás.

A percentagem de novos candidatos atinge os 69,57%, enquanto que a representação de mulheres é de 43,48%, praticamente metade da composição da lista.

Importa referir que os concelhos do distrito de Setúbal estão todos representados nos nomes que integram a lista.

Apesar da continuidade daqueles de que deram prova nesta legislatura, há um reforço da participação das mulheres, uma das preocupações da coligação.

O PSD e o CDS-PP afirmam que os candidatos que integram a lista vão estar empenhados na defesa do distrito e da sua população, como sempre estiveram.

Lista Coligação Portugal à Frente Setúbal
EFECTIVOS
1 – Maria Luís Albuquerque
2 – Bruno Vitorino
3 – Nuno Magalhães
4 – Mercês Borges
5 – Pedro do Ó Ramos
6 – Mariana Ribeiro Ferreira
7 – Paulo Simões Ribeiro
8 – Sónia dos Reis
9 – João Paulo Viegas
10 – Miguel Salvado
11 º Graciete Carvalho
12 – Sónia Batista
13 – Pedro Filipe Tomás
14 – Marília Gonçalves
15 – David Gomes
16 – Pedro Louro
17 – Teresa Alexandra Veiga da Costa
18 – Inês Pato

SUPLENTES Continuar a ler

Maria Luís Albuquerque é a cabeça-de-lista da coligação Portugal à Frente em Setúbal

Mais uma boa razão para votar PS 🙂

 Fonte: distritonline.pt

A atual Ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, vai ser a cabeça de lista dos deputados do distrito de Setúbal candidatos às legislativas, à semelhança do que aconteceu em 2011.

marialuisalbuquerque

Em 2011, Maria Luís Albuquerque elegeu cinco deputados, mais dois do que o PSD tinha conseguido em 2009.

Nuno Magalhães, que marca presença na Assembleia da República como deputado desde 2005, vai ser o terceiro da lista dos candidatos da Coligação Portugal à Frente pelo distrito às legislativas deste ano.

Refira-se que, o elenco dos cabeças de lista da Coligação Portugal à Frente vão ser propostos aos Conselhos Nacionais do PSD e CDS-PP no próximo dia 30 de julho.

Montijo | Aeroporto consensual para a próxima legislatura

Fonte: Diário da Região

O aeroporto complementar à Portela é para avançar na próxima legislatura. E, quanto à localização, também já não restam muitas dúvidas: deve aterrar na Base Aérea n.º 6 do Montijo. Este é, pelo menos, o plano de intenções que os atuais partidos da maioria do Governo (Partido Social Democrata – PSD/CDS) e principal partido da oposição (Partido Socialista – PS) defendem. Ou seja, a possibilidade de construção da nova infra-estrutura aeroportuária vir a ser realizada em Montijo e já na próxima legislatura é forte e consensual para qualquer um destes partidos (PSD/CDS/PS).

aeroportomontijo

Depois de António Costa, secretário-geral dos socialistas e candidato a primeiro-ministro, ter admitido que a localização “Montijo” tem de ser “aproveitada” e a obra executada na próxima legislatura, agora foi o ministro da Economia, Pires de Lima, a vir a terreiro sustentar a mesma tese.

“Está dentro dos planos aeroportuários e das competências e responsabilidades da própria ANA assegurar o desenvolvimento da infra-estrutura aeroportuária que serve Lisboa”, disse Pires de Lima, esta sexta-feira, à margem da apresentação em Lisboa dos princípios orientadores do Plano de Ação Turismo 2020, salientando a hipótese “Montijo”. “A opção tendencial que estamos ainda a estudar e a qualificar é o desenvolvimento da Portela com o aproveitamento da Base do Montijo”, vincou, apontando também como prazo a “próxima legislatura”.

A concluir, o ministro lembrou ainda: “Não precisamos de um aeroporto faraónico que afaste a estrutura aeroportuária de Lisboa. Ter uma estrutura aeroportuária que serve Lisboa e que está dentro da cidade é uma vantagem competitiva do país, e da cidade, que o Governo quer preservar”. Continuar a ler

Sondagem dá vitória ao PS mas sem maioria absoluta

O Partido Socialista surge à frente nas intenções de voto dos portugueses, segundo uma sondagem feita pela Intercampus para o PÚBLICO, a TVI e a TSF.

psafrente

quemvaiganharaseleicoes

pssolocaopreferivel

Humor | Deputados do PSD e do CDS-PP do distrito de Setúbal apontam área social como prioridade

É mesmo humor. Negro!

Fonte: Rostos

Na sequência de uma reunião realizada ontem entre os deputados dos dois partidos e a diretora da Segurança Social do distrito Ana Clara Birrento, foi reafirmado o empenho do PSD e do CDS-PP na área social, bem como a importância do PES, que permitiu apoiar quem mais precisa através de contratualização com as instituições de solidariedade social de várias medidas, conseguiu fazer chegar às famílias o apoio crucial, reconhecendo pela primeira vez estas instituições como parceiras do Estado.

psdcds

“Este Plano de Emergência veio minimizar os efeitos sociais da crise mais difícil da nossa história, motivada pela governação do PS nos ter levado à bancarrota”, sublinha Nuno Magalhães. “Os idosos, as famílias monoparentais, as crianças e as pessoas portadoras de deficiência estiveram sempre no centro deste Plano, e das nossas preocupações”.

O deputado e líder parlamentar do CDS-PP diz ainda que “ao contrário do que a oposição repetiu, e mentiu, não existiram despedimentos na Segurança Social, mas sim uma requalificação. Prova disso é que cerca de 30 por cento dos funcionários já estão colocados noutros serviços públicos, esperando-se para breve, mais colocações”.

O deputado do PSD, Bruno Vitorino, reconheceu que existiram alguns problemas no funcionamento das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ), mas os mesmos foram rapidamente ultrapassados, e que as CPCJ estão a “funcionar em pleno, cumprindo a Segurança Social na íntegra a representação a que é obrigada por lei, e os rácios de processos por técnico, bem como os tempos de afetação .” Continuar a ler

Junta de Freguesia da União de Freguesias de Setúbal | Membros do executivo da coligação Por Setúbal, Por Si (PSD/CDS-PP) renunciaram ao mandato

Após 18 meses no executivo da Junta de Freguesia da União de Freguesias de Setúbal, os membros da coligação Por Setúbal, Por Si (PSD/CDS-PP), renunciaram ao mandato de Vogais no passado dia 27 de abril.

logo-ufs

O desafio a que se propuseram, construir uma nova freguesia em torno de um projeto aglutinador e conjunto, esquecendo desde a primeira hora a cor dos partidos políticos, não estava a ser atingido.

A falta de comunicação existente, inclusive sobre áreas que lhes estavam atribuídas, o facto de não terem conhecimento de muitas das ações da junta de freguesia (ou terem conhecimento através de outros fóruns), a entrega dos documentos não ser realizada de acordo com os prazos legais e a não auscultação sobre a gestão orçamental (1ª Revisão de 2015), em conjunto com alguma falta de rigor e situações menos esclarecedoras relativamente à Prestação de Contas de 2014, levaram à apresentação do pedido de renúncia. Continuar a ler