Oeiras | Para onde vai o meu dinheiro?!

Muito bom!! Aqui.

A Câmara Municipal de Oeiras lançou um aplicativo disponível aqui que dá a conhecer aos munícipes, de forma responsável e transparente, onde é aplicado o dinheiro dos impostos municipais.

oeirasparavaiomeudinheiro

O cálculo é feito através de uma tabela de contas em que o cidadão pode inserir os valores do seu rendimento mensal bruto, o valor de imposto único de circulação (IUC) e o valor do IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis). Aquando da inserção destes valores, são automaticamente gerados os valores do IRS por escalão, a participação de IRS para o município e o total de contribuição para o município.

Aparece, por fim, um gráfico de barras onde são apresentados os sectores em que o dinheiro é investido: funções gerais, funções sociais, funções económicas e outras funções, existindo a possibilidade de discriminar a utilidade do dinheiro em qualquer uma destas categorias.

Nas funções económicas, por exemplo, vê-se que grande parte do dinheiro é investida em “indústria e energia” e “outras funções económicas”, existindo ainda “transportes e comunicações” ou “comércio e turismo”.

A aplicação, que permite consultar o investimento do dinheiro público “de forma fácil e eficiente”, foi desenvolvida internamente, com recurso a várias unidades orgânicas da autarquia. Continuar a ler

Oeiras analítica arranca em 2016

Fonte: Smart Cities

São, ao todo, 12 iniciativas principais, a implementar ao longo dos próximos cinco anos, para fazer de Oeiras a primeira cidade analítica portuguesa. Oroadmap, farol que guia a estratégia do município para cumprir este objectivo, foi apresentado, ontem, no âmbito do seminário “Oeiras | A Smarter Future – let’s do it”, tendo como palco o Taguspark – Parque de Ciência e Tecnologia.

oeirasmarcaoritmo

Para começar, um dos gaps que Oeiras quer colmatar é, sobretudo, a falta de informação dos seus munícipes, dado que numa consulta pública, assente em 246 questionários, concluiu-se que entre 80 a 90% das pessoas não conheciam as iniciativas smart do município – ou não tinham contacto – e entre 60 a 70% desconheciam o que são cidades inteligentes. “Só 20% dos idosos conhecia o Serviço de Tele-Assistência Domiciliária”, exemplificou Pedro Costeira, um dos membros da equipa da Ernst & Young (EY), consultora responsável por delinear esta estratégia para Oeiras.

“A primeira coisa que nós temos de fazer é chegar às pessoas porque o seu envolvimento é absolutamente fundamental. Temos de conseguir comunicar melhor”, destacou Silvia Breu, chefe do Gabinete de Prospectiva Desenvolvimento Estratégico e Informação Geográfica da câmara municipal de Oeiras. “Muitas pessoas não conheciam as iniciativas, mas consideraram-nas interessantes depois de as conhecer”, revelou.

Há, no entanto, outro requisito prioritário para pôr em marcha este plano: a criação de uma unidade de gestão, prevista para Janeiro de 2016, cujo objectivo será “agilizar a execução deste megaprojecto”, adiantou a EY. O passo será seguido pela concepção de uma aplicação móvel que “permita melhorar as funcionalidades existentes” na actual plataforma tecnológica “O Meu Bairro”, de forma a assegurar que os moradores podem registar incidentes em qualquer lugar, ao qual se soma um Portal Único que visa “adicionar funcionalidades e usabilidades dos principais portais existentes”, como são o caso do E-City e do GeoPortal. Continuar a ler

Oeiras quer tornar-se a primeira cidade analítica do país

Fonte: Smart Cities

Oeiras quer tornar-se na primeira cidade analítica do país, mas está consciente de que os desafios “são imensos”. “Não basta acumular dados em bases gigantescas, é preciso pensá-los, relacioná-los, interpretá-los e, sobretudo, partilhá-los”, reconheceu o autarca do município, Paulo Vistas, durante a conferência “Oeiras | A Smarter Future – uma perspectiva analítica”.

Oeiras 5

Para tornar o território mais analítico e inteligente, a câmara municipal vai levar a cabo o projecto “Oeiras Urban Analytics Hub”, encontrando-se, agora, a trabalhar com uma equipa da consultora de gestão Ernst & Young e uma outra da autarquia com o objectivo de representar um “exemplo para outros municípios portugueses e também no exterior”.

Até porque, “os dados não servem de nada guardados nos municípios”, lembrou Marco Painho, coordenador da pós-graduação em Smart Cities da NovaInformation Management School (Nova IMS). “Partir para uma iniciativa de ‘dados abertos’, como esta, é um acto de coragem e só é possível com muita transparência na governação, uma vez que todos os dados da administração local vão estar disponíveis, em bruto, para se poder olhar para eles e criar melhores serviços”, enfatizou.

A ambição do município tem, no entanto, vários fundamentos, na opinião do secretário de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza, Miguel Castro Neto, desde logo porque “há vários anos que aposta na informação geográfica como factor diferenciador e potenciador de novas formas de tomar decisões”. E é por essa razão que tem “uma infra-estrutura de dados espaciais que alavanca este processo de uma maneira impressionante”. Continuar a ler

Realiza-se amanhã o Oeiras – A Smarter Future – uma perspetiva analítica

Fantástico!

Oeiras com boas Vistas 😉

oeirassmart

O seminário tem por objetivo definir uma estratégia sustentável para a implementação de iniciativas que alavanquem o potencial analítico do Município de Oeiras

Amanhã, 29 de julho, o Núcleo Central  do Taguspark, em Oeiras, irá receber o Seminário “OEIRAS| A SMARTER FUTURE – Uma Perspetiva Analítica”.

Organizado pela Câmara Municipal de o Seminário ‘OEIRAS| A SMARTER FUTURE – Uma Perspetiva Analítica’, é oportunidade de partilha e diálogo entre players relevantes de múltiplos sectores de atividade, com o objetivo único de encontrar as melhores soluções para Oeiras.

O evento pode ser acompanhado em Live twitter #Oeirasasmarterfuture.

Configurado como um kick-off do projeto ‘Oeiras Urban Analytics Hub’, o seminário tem por objetivo definir uma estratégia sustentável para a implementação de iniciativas que alavanquem o potencial analítico do Município de Oeiras, em linha com as tendências globais e com as mais recentes diretivas nacionais. Continuar a ler

Oeiras| município reduz despesa no consumo energético

Em 2014, Oeiras conseguiu poupar 113.579,22€.

edificiocmogrande

Reduzir a despesa é palavra de ordem no Município de Oeiras, e só através da diminuição de consumos e da remoção de equipamentos dispensáveis, conseguiu poupar, em 2014, 113.579,22€. Esta poupança resulta diretamente da redução de despesas com energia, o que também implica a consequente redução de GEE (Gases com Efeito de Estufa). Continuar a ler

Sanest | municípios contestam fusão da Sanest no novo sistema de Lisboa e Vale do Tejo

Fonte: Lusa

Amadora, Cascais, Oeiras e Sintra “rejeitam a solução proposta pelo Governo que é, do ponto de vista social e económico, indesejável e perigosa e, no plano jurídico, viola o código das sociedades comerciais e a Constituição”, afirmaram hoje os quatro municípios, em comunicado, a que a Lusa teve acesso.

aguamao

A criação do sistema multimunicipal de água e saneamento de Lisboa e Vale do Tejo prevê a agregação de oito sistemas multimunicipais, entre os quais a Sanest — Sistema de Saneamento da Costa do Estoril, na nova sociedade Águas de Lisboa e Vale do Tejo (LVT).

A Sanest é detida em 51% pela Águas de Portugal (AdP) e nos restantes 49 pelos quatro municípios, que contestam a criação de uma nova concessão, por 30 anos, à LVT, cuja gestão será delegada na EPAL (Empresa Portuguesa de Águas Livres). Continuar a ler

Oeiras Tem Voz

OEIRAS TEM VOZ – “Para nós, a política só faz sentido se for próxima dos cidadãos. Com regularidade, Presidente e técnicos do Município saem à rua para perceber as dificuldades e encontrar as soluções. Se existe alguma situação para a qual gostava de chamar a atenção do presidente do seu Município, informe-o através do e-mail oeirastemvoz@cm-oeiras.pt. O assunto merecerá toda a nossa atenção e eventual deslocação do Presidente à sua rua, ao seu bairro.”

Onde é que eu já vi isto?!…

Oeiras | conhece o SATU?

O SATU é um sistema inovador de transporte público de passageiros, totalmente automático, que  circula de 4 em 4 minutos ou através do  “modo à chamada” (ou seja, como um elevador). O SATU assegura a ligação entre a Estação de Paço de Arcos da CP (ligação à linha ferroviária Lisboa / Cascais) e o Centro Comercial Oeiras Parque / Parque dos Poetas, estando prevista futuramente a ligação aos pólos empresariais Lagoas Park e Taguspark.

SATU1

Prevê-se a ligação à Estação do Cacém da CP (ligação à linha ferroviária Lisboa / Sintra), no concelho de Sintra, ficando desta forma realizada a ligação das duas linhas ferroviárias Lisboa/Cascais e Lisboa/Sintra, ligação esta há vários anos perspectivada nos planos de mobilidade da Área Metropolitana de Lisboa. Continuar a ler